sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Você repórter: pelo Facebook, jovem critica eleição de índio no MS.


O comentário foi feito um dia após a eleição do índio à Câmara de Vereadores de Dourados
Foto: Lucas Bertoletti de Marco / Reprodução / Facebook/vc repórter

Uma jovem de 23 anos utilizou seu perfil no Facebook na última segunda-feira, 8, para comentar o resultado da eleição municipal em algumas cidades do Mato Grosso do Sul. No texto, ela fez referência ao pleito que elegeu o professor indígena da etnia Guarani-Nhandeva, Aguilera de Souza (PSDC), de 37 anos, à Câmara de Vereadores de Dourados, dizendo que os índios "deveriam viver isolados numa selva na Amazônia".
"Olha, eu não tenho nada contra índio, só acho que eles deveriam viver isolados numa selva na Amazônia, vivendo da caça e da pesca. Só dão prejuízo aqui no Estado", escreveu a jovem. Após a repercussão negativa da opinião, a moça excluiu a publicação e o seu perfil na rede social.

De acordo com Maurício Rasslan, advogado da jovem envolvida no caso, a opinião não foi preconceituosa nem racista. "Trata-se de um comentário de uma menina de vinte e poucos anos de idade, não tem qualquer cunho racista ou preconceituoso, não tem absolutamente nada ali. O problema é que todas as vezes que se toca no assunto índio no Brasil, uma grande polêmica é gerada", afirmou.

Ainda segundo o advogado, sua cliente tem razão na afirmativa. "As pessoas focam em algumas palavras pequenas e não se interessam em saber o que realmente está acontecendo nas reservas indígenas do Mato Grosso do Sul, que é o massacre dos índios pelos próprios índios. Aqui não tem mais floresta, eles estão morrendo à míngua, virou uma grande favela indígena e ninguém vê isso", disse.

Eleito com 1.419 votos, o vereador Aguilera de Souza declarou ao Terra que seu assessor jurídico está analisando o caso e que ele não sabe se a moça será processada ou não. Para ele, que é graduado e pós-graduado em Pedagogia, a opinião da jovem é fruto de desconhecimento da causa indígena.
"Pelo comentário que fez e pela forma como escreveu, considero que essa pessoa não conhece nada sobre a questão indígena e, muitas vezes, ela nem tem culpa disso porque a sociedade a educou dessa forma. Ela é uma pessoa adulta, o tipo de formação que ela está recebendo e o que ela vai repassar para a sociedade é o que me preocupa. Ela tem que tomar muito cuidado, porque para falar sobre a causa indígena é preciso ter conhecimento", disse.
Eleição
 
Essa é a primeira vez que um índio irá ocupar uma vaga na Câmara Municipal de Dourados e também a estreia de Aguilera de Souza como candidato. "Trabalhamos durante três anos com reuniões, palestras e seminários, hoje a comunidade entendeu qual é o papel do vereador dentro da sociedade e a aldeia está andando de cabeça erguida por essa conquista. Sou representante político de 14 mil indígenas que moram em 3,5 mil hectares de terra na Reserva de Dourados.", afirmou.
O internauta Lucas Bertoletti de Marco, de Dourados (MS), participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra.
Retirado:

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Conflitos acompanham progresso em Suape


Um dos principais complexos industrial e portuário do país, empreendimento tem disputas por terra e danos ambientais
Obras afetam ostras, caranguejos, camarões e mariscos, dizem biólogos; pescadores relatam perda de renda
FÁBIO GUIBU
ENVIADO ESPECIAL A SUAPE (PE)
"Onde havia árvores com até 10 m de altura, existem hoje bosques de arbustos, com 6 m de altura"
CLEMENTE COELHO JÚNIOR
professor da Universidade de PE
Um dos mais modernos e importantes complexos industrial e portuário do país e há três décadas em operação, Suape (a 40 km de Recife) convive com problemas fundiários e ambientais.
Em 13,5 mil hectares de área, cerca de 25 mil posseiros vivem em clima de tensão.
Há conflitos judiciais sobre posse da terra e indenizações, além de focos de resistência.
Suape promete retirar todos os posseiros nos próximos dez anos. A maioria perderá a terra, que a empresa diz pertencer a ela.
Para especialistas ouvidos pela Folha, a rápida expansão industrial acelerou impactos sociais e ecológicos.
No complexo, existem cem empresas em operação e outras 50 em instalação, que exigem constantes dragagens e novos desmatamentos.
Em 2010, a Assembleia Legislativa aprovou projeto do governo autorizando o corte de 691 hectares de mata, o equivalente a quase três lagoas Rodrigo de Freitas.
Pressionado, um ano depois Suape ampliou, de 48% para 59%, a sua área de preservação ambiental.
O governo de Pernambuco diz que as empresas são obrigadas a recompor as áreas, mas um relatório de 2011 mostrou que, nos dez anos anteriores, só 1 dos 11 empreendimentos havia feito isso.
HISTÓRICO
Criado nos anos 1970, o porto opera desde 1983. O complexo foi erguido em uma área de estuários, entre os rios Massangana, Tatuoca, Ipojuca e Merepe.
Especialista em mangues, o professor da UPE (Universidade de Pernambuco) e doutor em oceanografia biológica, Clemente Coelho Júnior, afirma que a construção das vias de acesso rompeu essa ligação natural entre os rios.
"Onde havia árvores com até 10 m de altura e 30 cm de diâmetro, existem hoje bosques de arbustos, com, no máximo, 6 m de altura e 10 cm de diâmetro."
A redução do fluxo de água, diz Coelho Jr., afetou também a fauna, especialmente ostras e caranguejos.
Ainda durante a construção do porto, parte de uma linha de 8 km de formação rochosa no mar foi dinamitada, nos anos de 1980 e 1990.
Para o professor da UPE Múcio Luiz Banja, especialista em recifes, mais graves são as dragagens periódicas. "O sedimento soterra os animais."
O presidente da colônia de pescadores Z-8, Lailson Evangelista de Souza, 48, calcula que a pesca de lagosta na área do porto caiu 70% nos últimos anos e os mariscos também sumiram.
O superintendente do Ministério da Pesca e Aquicultura em Pernambuco, José Telino Lacerda Neto, diz que não há como negar o impacto de Suape na pesca artesanal da região, mas afirma que a queda na produção não é um problema localizado.
Sobre a colônia de pescadores Z-8, o ministério quer agregar valor ao peixe capturado por eles e melhorar a tecnologia das embarcações para explorar novas espécies, como o atum.
 
Ex-posseiros vão à Justiça contra cessão de terreno
DO ENVIADO A SUAPE (PE)
 
Há quatro meses, o agricultor Luis Abílio da Silva, 82, e sua mulher, Maria Luiza, 92, foram retirados de casa por ordem da Justiça e viram o lugar onde moravam ser destruído por um trator e marretas, numa ação de reintegração de posse.
Chovia, e a filha do casal Cleonice, 36, que também morava no local, protegia com uma sombrinha a sua caçula, Letícia, à época com duas semanas de vida.
No mesmo dia, mais quatro casas e uma capela ruíram no terreno de dez hectares do engenho Tiriri, onde 22 integrantes da família Silva e amigos viviam como posseiros havia 50 anos.
"Tiraram nossas coisas, engancharam a corda no trator e puxaram as paredes", afirmou o agricultor.
"Primeiro foi a capela, depois a casa." A família foi indenizada em R$ 48 mil pelas benfeitorias, mas não pelo terreno. Como outros posseiros, devem ir à Justiça.
Segundo a advogada dos Silva, Conceição Lacerda, a terra onde a família vivia foi vendida "de forma irregular" para Suape pela Cooperativa Agrícola do Tiriri.
A cooperativa, disse, recebeu do governo militar títulos de propriedade de sete engenhos para assentar seus filiados, mas os vendeu em 1980.
Uma cláusula proibia a destinação da terra para outros fins, diz a advogada, que pedirá à Justiça a nulidade da cessão dos engenhos à cooperativa.
O presidente de Suape, Frederico Amancio, nega irregularidades e diz que a Justiça autorizou as reintegrações de posse e as indenizações.
Outro lado
Presidente diz que homem, e não indústria, degradou região
DO ENVIADO A SUAPE (PE)
A área destinada às indústrias em Suape está perto de seu limite e, segundo o presidente da empresa, Frederico Amancio, uma grande expansão como a dos últimos anos não acontecerá novamente.
Amancio disse que Suape quitou seu passivo ambiental e negou que as indústrias sejam o principal fator de degradação ecológica. "Foi a ação do próprio homem."
Folha - Um relatório de 2011 mostrou que, em dez anos, só 1 de 11 empresas com acordos de compensação ambiental cumpriu seu compromisso.
Frederico Amâncio* - Suape quitou seu passivo ambiental. Replantamos 240 hectares de Mata Atlântica. Ampliamos a área de preservação, de 48% para 59% do total. Sem medo de errar, Suape é o complexo industrial e o porto mais verdes do mundo.
Qual o impacto ambiental das indústrias em Suape?
As pessoas acham que o principal fator de degradação ambiental em Suape são as indústrias, mas não é verdade. Na realidade, foi a ação do próprio homem, de posseiros, de invasores, do plantio da cana-de-açúcar.
Indústrias não desmataram?
O desmatamento se deu por um processo histórico. Suape é uma composição de mais de 20 engenhos desapropriados.
Os posseiros reclamam que estão sendo expulsos de suas próprias terras.
Temos dentro do complexo 6.800 famílias, 25 mil posseiros. Em dez anos, vamos retirar todos. Alguns são antigos, mas estão em áreas de preservação ecológica. Eles são, sim, fatores de degradação ecológica, porque retiram a vegetação natural.
Os posseiros também reclamam dos valores das indenizações.
Suape não decide valor. Seguimos regras. Eles criaram a expectativa de receber pela área e, por questão legal, pagamos pelas benfeitorias.
Especialistas apontam as dragagens e a construção de um dique no rio Tatuoca como prejudiciais ao ambiente e à pesca em Suape.
Os planos de dragagens são aprovados pelo órgão ambiental. Discutimos projetos para recuperar a pesca artesanal na região, mas não é um problema local. A atividade passa por um processo difícil no Estado.
Suape está no limite?
Não vamos ter mais uma expansão muito grande dos projetos industriais. É uma estratégia que o desenvolvimento comece a ser descentralizado para o litoral norte.

Retirado: NEPE
Por: Carolina Albuquerque

Pescadores e Pescadoras do Lago de Itaparica em Petrolândia/PE estão com seus Territórios sobre Ameaças.



Na última semana de setembro, enquanto as comunidades San Franciscanas se preparavam para o novenário do padroeiro, realizávamos o 3º Seminário da Pesca Artesanal no Sertão do São Francisco e do Pajeú, no qual foi realizado o lançamento da Campanha pela Regularização dos Territórios das Comunidades Tradicionais Pesqueiras. Fomos surpreendidos com a denúncia dos pescadores, que o ponto de apoio que a mais de 23 anos eles vem utilizando durante à pesca no Lago de Itaparica, (ilha denominada Bode Rouco) onde, mas de 30 pescadores se arrancham durante as pescarias, foram surpreendidos com as derrubadas das árvores.


A derrubada indiscriminada das arvores de algaroba e pereiro e de outras espécies de porte menores, com, mas de 25 anos de idade conforme relatos dos pescadores e como podemos observar nas imagens, o número de espécie cortada com a utilização de moto-serra, o corte da arvores foram feitas por funcionários do empresário e proprietário do Magazine Paullynele (eletroeletrônico e moveis) Daniel.


Os pescadores utilizam o espaço da ilha como ponto de apoio durante as pescarias desde a formação do lago de Itaparica com a construção da Barragem Luiz Gonzaga no ano de 1988. Os pescadores relatam que outra ilha, hoje conhecida como ilha dos pescadores também passou por problemas semelhantes em 2007, quando outro empresário local se intitulou proprietário, os pescadores conseguiram desmistificar o fato e hoje 06 famílias utilizam as ilhas como ponto de apoio a pescaria e moradia.


Durante o novenário de São Francisco de Assis, os pescadores do sertão do são Francisco, realizaram ato de lançamento da Campanha Nacional pela Regularização dos Territórios das comunidades tradicionais Pesqueiras, e aproveitaram a procissão fluvial onde reuniu grande parte dos cidadãos Petrolandineses, e fizeram uma visita na ilha Bode Roco onde poderão observar a destruição da vegetação.

                             (militantes do MPP/PE e do CPP Nordeste junto com Pe. Giovanne  na Ilha do bode Rouco/PetrolLandia)

Segundo a falar de alguns moradores local a especulação imobiliária vem se expandindo na região desde a implantação do canteiro de obras da TRANSPOSIÇÃO do São Francisco, na agrovila 06 de Ico-Mandantes entre os municípios de Floresta e Petrolândia e que os conflitos de uso do lago têm se intensificando desde reportagem exibida na Rede Globo de Televisão sobre o potencial para turismo aquático da região.
A colônia dos pescadores esta entrando com representação no MP contra o Daniel para garantir a integridade da ilha e o território pesqueiro.



Por: Carolina Albuquerque

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

STF debate se há racismo em livro de Monteiro Lobato usado em escolas


Supremo Tribunal Federal promove nesta terça audiência de conciliação.
Entidade argumenta que 'Caçadas de Pedrinho' tem 'elementos racistas'.


O Supremo Tribunal Federal (STF) realiza nesta terça-feira (11) audiência de conciliação que abordará o uso do livro "Caçadas de Pedrinho", de Monteiro Lobato, na rede pública de ensino.
A audiência foi convocada para a noite desta terça pelo ministro Luiz Fux, relator de um mandado de segurança que questiona o uso do livro.
Audiência de conciliação é uma reunião feita para se chegar a um entendimento entre as partes e, nesse caso, o ministro só homologa o resultado do acordo. Uma decisão pode ser tomada ainda nesta terça, mas não é usual um entendimento na primeira audiência de conciliação.
O livro "Caçadas de Pedrinho" foi publicado em 1933 e faz parte do Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE), do Ministério da Educação. Foi distribuído em escolas de todo o país.
O questionamento foi feito por uma entidade do movimento negro e por um técnico em gestão educacional. Eles afirmam que o livro tem 'elementos racistas".
"Não há como se alegar liberdade de expressão em relação ao tema quando da leitura da obra se faz referências ao negro com estereótipos fortemente carregados de elementos racistas", diz o recurso.
Em um trecho do livro, por exemplo, a personagem Emília, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, diz: "É guerra e das boas. Não vai escapar ninguém - nem Tia Anastácia, que tem carne preta".
Como argumento contra o uso do livro, os autores do mandado de segurança apontam parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE), órgão colegiado independente ligado ao Ministério da Educação (MEC), que afirmou que certos trechos são tratados com preconceito. Depois desse parecer, porém, o conselho acabou homologando o uso do livro dentro do programa.
O parecer do CNE sugeriu uma "nota explicativa" com esclarecimentos ao leitor sobre a presença de estereótipos raciais na literatura.
O ministro Luiz Fux afirmou que a discussão é importante porque traz "preceitos constitucionais como liberdade de expressão e vedação ao racismo". O objetivo da audiência de conciliação é, segundo o minsitro, "ensejar um desfecho conciliatório célere".
Entre os convocados para a audiência estão os autores do mandado de segurança, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

PET indica: o Filme Panteras Negras



Oakland, Califórnia, 1967. Huey Newton (Marcus Chong) e Bobby Seale (Courtney B. Vance) são amigos, que formam um novo partido dedicado em proteger os negros das violentas arbitrariedades dos policiais brancos. O Partido dos Panteras Negras de Autodefesa dá almoço grátis para as crianças, educa a comunidade afro-americana em se conscientizar dos seus direitos, faz o que pode para tirar das ruas os traficantes de drogas e enfrenta a polícia de Oakland (que é extremamente racista) quando desrespeita os direitos civis dos negros. O partido faz tudo isto sem transgredir alguma lei. Logo brancos conservadores começam se sentir incomodados e planejam se livrar desta "ameaça", mesmo que tenham de desrespeitar a lei.






Ficha técnica:

Duração: 2h31m
Dirigido por: Mario Van Peebles com Kadeem Hardison, Bokeem Woodbine e Joe Don Baker.
Gênero: Drama
Nacionalidade: EUA, Reino Unido
Ano de produção: 1995


Retirado:
http://www.youtube.com/watch?v=fZs1XIdhlNE
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-18271/


Por:  Carolina Albuquerque

sábado, 4 de agosto de 2012

Cacique Potiguara segue em estado grave depois de sofrer atentado na Paraíba


do site Combate ao Racismo Ambiental
Por Renato Santana, de Brasília
O cacique Potiguara Geusivan Silva de Lima, 30 anos, segue internado em estado grave no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, na Paraíba.
Nas próximas 48 horas, de acordo com a assessoria de imprensa do hospital, a equipe médica submeterá o cacique a exames e testes para diagnosticar se ocorreu de fato morte cerebral.
Geusivan foi baleado com dois tiros na cabeça durante atentado sofrido na noite desta terça-feira, 31, enquanto jogava dominó numa praça da aldeia Brejinho, município de Marcação, litoral norte paraibano. A lesão o fez perder massa encefálica dificultando ainda mais a recuperação.
Conforme uma testemunha do ataque, que prestou depoimento para a Polícia Federal, dois homens armados abordaram Geusivan e perguntaram se ele estava armado. Com a negativa do cacique, ordenaram que ele deitasse de bruços.
Antes de executá-lo, porém, os pistoleiros foram abalroados por Claudemir Ferreira da Silva, mais conhecido como Cacau, jovem que estava com o cacique na hora do ataque e não era indígena – os demais caciques o apontam como segurança de Geusivan. Cacau, no entanto, foi atingido por vários disparos e morreu no local. Tinha 37 anos.
No chão e ao lado do companheiro morto tentando defendê-lo, Geusivan recebeu ao menos três tiros, sendo dois deles na cabeça. Antes da fuga, de acordo com a testemunha, um dos assassinos disse: “Agora só faltam dois”.
Informações não oficiais dão conta de que as armas utilizadas pelos pistoleiros eram revólveres calibre 38, descarregados no local. Também que um deles, o indivíduo que pilotava a moto, se manteve de capacete durante toda ação; já o acompanhante estava com o rosto à mostra.
De acordo com o cacique geral do povo Potiguara, Sandro Gomes Barbosa, o atentado não é um fato isolado e se soma a ameaças, agressões e tentativas de homicídio sofridas por sete caciques Potiguara e relatadas para a Polícia Federal e Ministério Público federal (MPF) entre 2011 e este ano.
A Polícia Federal abriu inquérito nesta quarta-feira, 1º. Questões fundiárias e um quadro de violência na região permeiam a lista de lideranças Potiguara marcadas para morrer.
Questão fundiária
No último mês de abril a comunidade da aldeia Brejinho retomou 90 hectares de área ocupada por fazendeiro de cana de açúcar – localizada dentro da terra indígena já demarcada, mas sem extrusão realizada pela Fundação Nacional do Índio (Funai).
Cacique Geusivan, apesar das dificuldades oriundas do fato de ter tido uma perna amputada depois de acidente automobilístico, liderou os indígenas. Tão logo se deu a reocupação da área, a comunidade colocou abaixo toda a plantação de cana, iniciando a construção de moradias e abrindo roçados.
A medida atendeu decisão dos 32 caciques Potiguara: dentro das terras indígenas do povo, nenhuma muda de cana deveria ser plantada e as lavouras existentes não renovadas; os arrendamentos de terra, por fim, impedidos. Como as cidades de Marcação, Rio Tinto e Baía da Traição se confundem com as aldeias, o policiamento foi intensificado para combater roubos e violências.
Tais medidas e a retomada de abril fizeram com que Geusivan passasse a sofrer ameaças. Nos últimos meses recebeu telefonemas dizendo que iriam arrancar a outra perna dele, além de avisos dando conta de que sua vida seria ceifada. Com os outros caciques não foi diferente, incluindo o cacique geral.
No mês de maio homens armados foram até a casa de Sandro, mas não o encontraram. “Meu filho disse que eu não morava mais ali, que tinha mudado de endereço. Se eu estivesse em casa teria sido morto. Em julho agora motoqueiros me perseguiram. Não vamos abandonar a luta, mas só Tupã mesmo para nos proteger”, afirma o cacique geral.
Ausência do Estado
“Nunca a Funai tomou vergonha para tirar os não-indígenas das terras já demarcadas e até homologadas. Seguem aqui como posseiros que arrendam terras para a cana, latifundiários usineiros. Então a gente retoma terras e luta contra a cana e a consequência são as ameaças contra nossas vidas”, explica o cacique Aníbal Cordeiro Campos, da aldeia Jaraguá.
Na noite de 22 de março de 2009, um domingo, cacique Aníbal viu a porta de sua casa ser arrombada e por ela entrar homens armados. Tentou se defender, mas acabou levando cinco tiros. Sobreviveu e seguiu nas lutas Potiguara, mas traz no corpo ainda as marcas do ataque: uma bala alojada na cabeça.
A Polícia Federal instaurou inquérito, mas nunca chegou aos pistoleiros e possíveis mandantes. Este ano Aníbal voltou a receber ameaças, assim como o cacique José Roberto, o Bel, da aldeia Três Rios, e o vice-cacique Josesi, que também sofreu um atentado, além dos caciques Pintado, da aldeia Capoeira, Alcides, da aldeia São Francisco, cacique Capitão, da aldeia Forte e cacique Oliveiros, da aldeia Ibykuera.
O clima de tensão e insegurança entre os Potiguara é grande, fazendo com que familiares e amigos de Claudemir Ferreira da Silva, morto ao defender o cacique Geusivan, pedissem escolta policial durante o velório e enterro. “Ontem (quinta-feira, 2) à noite deram tiros lá na aldeia Brejinho depois de enterrarmos Cacau. Essa é nossa situação”, lamenta cacique Bel.
As denúncias de ameaças registradas pelos caciques na Polícia Federal, ao menos em alguns casos, envolvem indígenas cooptados por latifundiários da cana de açúcar e não-indígenas que residem dentro do território de ocupação tradicional e arrendam áreas para a plantação de cana.
“É difícil de dizer quem é que está fazendo isso com nosso povo. A polícia precisa investigar para descobrir. Temos essa situação de combater a cana de açúcar, da violência, da luta pela terra, de impedir os arrendamentos, mas não podemos afirmar quem é”, analisa cacique Capitão.
Situação das terras indígenas
Os Potiguara do litoral norte da Paraíba se dividem em 32 aldeias entre as três terras indígenas registradas e declaradas pelo governo: Jacaré do São Domingos, Potiguara de Monte Mor e São Miguel. Juntas somam35.328 hectares. A ocupação não-indígena nelas é acentuada. Em São Domingos, posseiros plantadores de cana conseguiram liminares na Justiça para continuarem na terra já registrada.
Em São Miguel uma usina de cana ocupa área de 14 mil hectares e joga no rio que corta o território vinhoto, inutilizando-o para a pesca do camarão e peixe, prática tradicional dos Potiguara, durante seis meses no ano. Já nas aldeias que compõem a terra Monte Mor, a presença não-indígena ultrapassa 7 mil indivíduos em 1.653 ocupações, além de mais usinas de cana de açúcar.
“É muita covardia: dentro de nossa terra, da qual somos filhos, andamos assombrados. Porém, não tenho medo de bandido e se tiver que morrer defendendo meu povo, se essa for a vontade de Tupã, que seja feita. Não vou abandonar a luta”, enfatiza o cacique geral Sandro Potiguara.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

A linguagem nos faz humanos


Autor: EVERETT, Daniel


A linguagem nos faz humanos
O linguista que contraria as teses de Noam Chomsky diz que o dom da fala não é inato, mas produto das vantagens evolutivas da comunicação e dos valores culturais de cada povo 

Entrevista com Daniel Everett

Professor da Universidade Bentley, em Boston, o americano Daniel Everett, originário do Massachusetts Institute of Technology (MIT), é um dos mais prestigiados linguistas e etnólogos do mundo. Everett passa boa parte do ano em pesquisas de campo na tentativa der obter resposta aos mistérios de como e por que o homem foi o único ser vivo a adquirir o dom da fala e decifrar que mecanismos tornaram possível a conquista da linguagem. Em seu sexto livro, Language: The Cultural Tool (Linguagem: a ferramenta cultural), que será lançado na próxima semana nos Estados Unidos, Everett define a linguagem como um artefato criado e moldado pela cultura, pela cognição e pelo instinto de se comunicar dos seres humanos. Ele concluiu que a humanidade só sobreviveu em sua espinhosa caminhada evolutiva e chegou ater conseguido se equipar com a sua linguagem. Suas descobertas constituem um aberto desafio à noção mais aceita até agora, de autoria de Noam Chomsky, segundo a qual gramática, e portanto a linguagem, é um atributo físico inato do cérebro humano - teoria que coloca todo o peso da especificidade humana na genética. 

Em seu livro, o senhor redefine o conceito de linguagem. O que essa abordagem tem de novo?

Durante cinco décadas, os linguistas seguiram a teoria da gramática universal, concebida por Noam Chomsky. De acordo com essa teoria, a gramática e a linguagem são inatas ao ser humano e já vêm programadas no cérebro. Acho essa ideia ridícula. Nunca houve provas de que existem estruturas em nosso cérebro ou em nosso DNA que nos autorizem a dizer que a linguagem é hereditária. O célebre gene FOXP 2, que por um tempo foi classificado como o gene da linguagem e prova da gramática universal, tem na verdade múltiplas funções. Ele atua no desenvolvimento dos pulmões, dos controles dos músculos da face e define mais uma dezena de funções no organismo. O FOXP 2 tampouco é exclusivo do homem. Os ratos, alguns pássaros e outros animais têm esse mesmo gene.

Chomsky não deve ser levado a sério? 

A verdade é que Chomsky não é geneticista, nunca fez pesquisas com biologia humana. Ele pôs de pé uma suposição ilusória e sem base nas evidências cientificas. É óbvio que todas as atividades humanas têm uma correspondência no cérebro. Quando algu6m empunha, por exemplo, um revólver, ocorre a ativação de determinadas regiões do cérebro cuja existência e função se devem a um ou mais genes. Isso não quer dizer que nascemos com um gene para o uso de armas. Significa apenas que nos valemos de nosso corpo e nosso cérebro para manipular essa ferramenta. O mesmo ocorre com a linguagem. Ela é uma ferramenta criada por nós, que foi desenvolvida com o uso da capacidade cerebral e corporal. 

Definir a linguagem como uma ferramenta e colocá-la na mesma categoria de uma arma não reduz sua complexidade? 

A linguagem não é apenas uma ferramenta. Ela é a ferramenta mais importante do homem. É ela que nos faz humanos. Pela fala e, depois, pela escrita, conseguimos formular pensamento e acumular conhecimento no decorrer das gerações. Um cachorro não pode saber como era o seu bisavô. O homem é o único ser que pode ter essa informação. Uma das maiores vantagens evolutivas da linguagem é a capacidade de reconhecer que um semelhante tem um cérebro como o nosso e pode pensar, como nós. A isso damos o nome de teoria da mente. Foi essa capacidade que nos possibilitou a comunicação. No momento em que um homem raciocinou que o outro perto dele tinha umamente igual, chegou à brilhante conclusão de que "ele pode me entender". Essa ideia básica, fundamental, está presente até hoje em todas as formas humanas de expressão. Foi somente a partir daí que conseguimos viver, plenamente em comunidade, que criamos a filosofia e a matemática, que inventamos demais ferramentas e nos constituímos em uma humanidade.

Chomsky tem poder político, O senhor não receia tê-lo como desafeto? Durante meu pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology, fui vizinho de sala de Chomsky. Até nos dávamos bem, já que eu ainda não tinha publicado minhas ideias contrárias à sua teoria.Há alguns anos, quando sua mulher morreu mandei-lhe uma mensagem de pêsames,destacando ainda que, apesar de nossas diferenças, eu reconhecia sua importância para o mundo acadêmico. Chomsky respondeu com simpatia, agradecendo. Mas publicamente agiu com rispidez, chamando-me de charlatão em uma entrevista. Isso me marcou muito porque mostra bem que tipo de pessoa ele é. Acredito que Chomsky só tenha conseguido esse poder que tem hoje de falar o que quiser mesmo mentiras, por sua atuação política, criticando os Estados Unidos. Graças a esse proselitismo, ganhou uma leva de seguidores e ergueu-se um muro de defesa em tomo dele. Recebo cartas desaforadas e e-mails violentos por discordar dele. Mas não posso deixar de defender o que acho correto. 

Por que a linguagem deu origem a tantos idiomas?

Nossas línguas são resultado deu ma combinação de três fatores: a "capacidade cognitiva do homem, a cultura dos povos e o que as sociedades querem comunicar". Nosso corpo estabelece os limites de como nos expressamos, a cultura define como falamos; e lemos e a vontade de nos comunicarmos determina o que queremos dizer. É uma relação dinâmica. Cada uma dessas peças influencia as outras. 

Como o senhor chegou a essa idéia? 

Ela fica evidente ao analisarmos como são estruturadas frases em diferentes idiomas. Uma frase em português com o verbo "dar", ou em inglês com o correspondente, "give", não por acaso tem três elementos: a pessoa que executa a ação, a ação e o receptor da ação. É possível somar outros elementos a esses. Em vez de dizer apenas "João deu o livro a Maria", podemos falar "Pedro disse que seu João deu o livro para a irmã de Maria dá-lo a Maria". Na língua dos piraãs tribo com a qual vivi na Amazônia, só a primeira frase é possível. Para esses índios, uma frase sempre se encerra em si mesma. A linguagem piraã se vale de sufixos que chancelam o grau de veracidade do está sendo dito. São três sufixos: um informa que "eu vi isso com meus próprios olhos", outro revela que "alguém me contou isso" e um terceiro atesta que "eu digo isso com base em evidências". Se você perguntar a um piraã "João deu o livro para Maria?", ele responderá "híai". Híaí não é um sim. Significa que ele ouviu de alguém que o livro foi entregue. Esse cuidado é reflexo de um valor cultural especialmente caro aos píraãs, Para eles, é indispensável que o interlocutor apresente provas do que está afirmando. Os píraãs têm outras estruturas que são resultado claro da influência da cultura. Eles não conhecem os números. Só conseguem mensurar as quantidades e os volumes em pouco ou muito. Para eles, saber contar claramente não seria uma vantagem evolutiva. Identificar com precisão cada animal e árvore da floresta era decisivo e, como resultado, os píraãs desenvolveram um complexo e vasto vocabulário sobre isso. 

Que influências da cultura o senhor identificou o português falado no Brasil ? 

O brasileiro usa muito a palavra jeito, que não possui correspondente em inglês, nem na maioria das outras línguas. Um brasileiro diz: "Esse é o jeito brasileiro". Isso não tem tradução para o inglês. Se um americano quiser dizer a mesma coisa, terá de construir uma sentença bem mais longa. A palavra "jeito" é usada com muitas outras acepções em português, que não existem em inglês. A palavra "malandragem" também requer malabarismos linguísticos complexos para ser vertida para outro idioma. Para aprender a língua de um povo, é preciso compreender sua cultura. A grande maioria dos lingüistas não se dá ao trabalho de ir a campo e se satisfaz estudando documentos em seus escritórios. Dessas torres de marfim é que surgem ideias mirabolantes como as de Chomsky, sem evidências concretas a embasá-las. 

terça-feira, 10 de julho de 2012

Todo mundo nu para as lentes de Spencer Tunick

Desde 1992, Spencer Tunick viaja o mundo fotografando pessoas despidas em público. México, Israel, Irlanda, Venezuela, Índia, França e mais um bucado de países fizeram parte do seu projeto, que no Brasil, teve o Parque Ibirapuera em São Paulo como cenário. Em cada cidade, Tunick escolhe um local, que pode ser urbano ou repleto de natureza, e nele cria uma instalação com os corpos nus de seus voluntários. Por mais polêmico que o seu trabalho possa parecer, Spencer não tem problemas em conseguir pessoas dispostas a tirar suas roupas e serem fotografadas. No México, por exemplo, 18 mil pessoas se inscreveram para posar e participar dos vídeos que Spencer faz e exibe junto com as fotos em suas exposições. Algumas de suas instalações acabam misturando arte com protesto, como a foto que fez em 2007 junto com ativistas do Greenpeace na maior geleira européia para mostrar a relação do ser humano com o clima e uma foto de 2011 feita no Mar Morto, com o intuito de retratar as condições precárias de cuidado do local.  O corpo nu, as belas paisagens, o número sempre crescente de pessoas fotografadas, as notícias que seu trabalho geram… tudo isso faz de Tunick um dos artistas mais falados da fotografia contemporânea. Mesmo trabalhando no mesmo projeto há 20 anos, ele consegue se renovar e criar imagens memoráveis por onde quer que passe. Dificilmente a obra de Spencer Tunick passaria despercebida!












Retirado:http://www.blckdmnds.com/todo-mundo-nu-nas-fotos-de-spencer-tunick/#more-33436



quinta-feira, 5 de julho de 2012

Mulheres de renome, mulheres renomeadas: as 'outras' da Antropologia




Resenha de: Luciana Gruppelli Loponte
Universidade de Santa Cruz do Sul


Antropólogas & Antropologia. 
Corrêa, Mariza. 
Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2003. 278 p.


Mesmo que não pertençamos à tradição do campo de saber chamado Antropologia, como é meu caso, o livro nos captura, principalmente para quem tem algum interesse sobre questões que envolvem as relações de gênero. A autora do livro traz à tona as histórias de três mulheres que ousaram de alguma forma destacarem-se em uma área (como tantas outras) de domínio quase exclusivo de homens. São elas, como define a própria Mariza Corrêa: "a ornitóloga [Emilia Snethlage] que deveria cair cativa do canto de um pássaro sedutor; a aventureira [Leolinda Daltro] que deveria se aventurar pelos sertões, de fato à procura de um homem, ou a diretora de museu [Heloisa Alberto Torres] que, solteira, deveria viajar com uma companhia masculina - jovem e inepta, mas masculina, de acordo com os relatos, históricos ou romanceados, de suas trajetórias..." (p. 14). O tom irônico desse trecho perpassa boa parte do livro, nos instigando a pensar sobre como essas vidas de mulheres foram narradas, como a linguagem que as nomeia está envolta de expectativas quanto aos comportamentos ideais para os gêneros. Um homem e uma mulher são narrados da mesma maneira? O que fazem essas mulheres nesse espaço público, espaço masculino por excelência? Onde elas 'deveriam' estar? Uma mulher sozinha pode ser uma antropóloga, ou ela pode apenas ser uma 'parceira etnográfica' de um homem?
A questão da linguagem, tanto nos relatos históricos como literários trazidos pela autora sobre essas 'mulheres excepcionais', atravessa todo o livro. A linguagem que narra essas mulheres está, sem dúvida, repleta de questões de gênero e sexualidade. É a sexualidade que está sempre em jogo quando se fala de mulheres que se destacam em um espaço no qual, segundo uma determinada ótica masculina, elas não 'deveriam' estar. Se elas ocupam esse espaço, deve haver outras razões que não exatamente as relativas a sua competência profissional. Se duvidamos de que a linguagem inscreve-se ou corporifica as diferenças de gênero, basta pensarmos nas definições de 'homem público' e 'mulher pública' em seu sentido mais comum. Ou ainda, como lembra Mariza Corrêa, no sentido que é dado aos homens antropólogos, denominados elogiosamente como 'aventureiros' em contraposição ao sentido negativo e de forte conotação sexual atribuído às mulheres antropólogas 'aventureiras', com um certo tom de desconfiança diante das reais intenções dessas mulheres que se aventuram em florestas ou entre os índios.
Como afirma a autora, a análise das narrativas sobre essas mulheres "parece explicitar que a sociedade é regida por lógicas distintas, que comandam o comportamento feminino de modo diferente do que comandam o comportamento masculino" (p. 15). Na história da Antropologia, como em outros campos de saber como a arte, por exemplo, falar de personagens masculinas difere-se radicalmente de como se fala das personagens femininas. O que vale para os homens nem sempre tem o mesmo peso para as mulheres.
O que é um nome?, pergunta Mariza Corrêa. Quem pode, afinal, ter um nome? Sem dúvida, ninguém desconhece a existência de Claude Lévi-Strauss, mas quem já ouviu falar de Dina Lévi-Strauss? Mulheres ao pé da página, a elas restam as notas de rodapé, escondidas sob o nome dos maridos. Mulheres renomeadas com o nome masculino. Dina e tantas outras aparecem para a história como esposas de, como apêndices de alguém. Apesar de estarem em campo com seus maridos antropólogos, e de serem inestimáveis auxiliares de pesquisa, seus nomes desaparecem à sombra do renome masculino. Renome pode significar um nome famoso ou um segundo nome, como os que adquirem essas mulheres ao se casarem, abdicando o seu próprio nome e, talvez, a sua própria identidade: "Ao serem assim renomeadas essas mulheres tornam-se então esposas em primeiro lugar - e são assim também consideradas" (p. 22).
Mulheres sozinhas, com seu nome próprio ou de alguma forma em busca de renome, enfrentavam muitas dificuldades para fazer pesquisa de campo na época aqui analisada, entre os finais do século 19 e os anos 40 do século 20. Ou elas eram legitimadas por fazerem parte da equipe profissional de seus maridos, contentando-se em ser dublês de pesquisadoras, ou eram malvistas pelos demais pesquisadores, na maioria homens.
Mariza Corrêa traz para essa discussão sobre gênero a questão da identidade, valendo-se principalmente das observações agudas de Donna Haraway. Qual a identidade dessas mulheres que assumem o nome do outro? Afirmar uma identidade, e uma identidade feminina, parece ser um contra-senso em um tempo de identidades fragmentadas. A identidade feminina, unificada, que tenha lugar em um 'nós' totalizador ou em uma coletividade homogênea, é pura ilusão. Não há uma essência feminina a ser buscada nos múltiplos modos de ser mulher: brancas, negras, índias, de classe média, de classe baixa, donas de casa, antropólogas, artistas ou tantos outros qualificativos que queiramos dar. Mas, quando se afirma uma identidade, é de lutas que se está tratando, como afirma Mariza Corrêa. Para Donna Haraway, essa seria uma luta por afinidades e não identidades. A afinidade supõe relação e não o mesmo, como o termo identidade sugeriria. Sem dúvida, o livro Antropologia & Antropólogas inscreve-se nessa luta por afinidades de mulheres de renome, mulheres renomeadas, mulheres sem nome próprio, mulheres ao pé da página. Aqui, é a Antropologia o cenário principal, mas podemos pensar, a partir daí, na quase invisibilidade das mulheres em qualquer outra área de conhecimento. Dessa forma, um livro como esse extrapola as discussões específicas da Antropologia, para inserir-se em uma discussão mais ampliada sobre as relações de gênero.
A questão da linguagem sempre foi uma questão importante para as estudiosas feministas. A problematização sobre o masculino genérico predominante na língua portuguesa, por exemplo, chama a atenção para a arbitrariedade e parcialidade da língua que usamos cotidianamente. Muitas vezes, no entanto, as pesquisadoras e os pesquisadores encontram soluções lingüísticas não muito agradáveis à leitura: 'os' e 'as' entre parênteses, o uso do sinal @ (pesquisador@s, por exemplo), que aparentaria uma certa neutralidade, ou até a alternância entre feminino e masculino durante o texto. Se temos certeza de que a linguagem deve ser de algum modo problematizada, porque nela se inscrevem as lutas de sentido e as diferenças de gênero, há muitas dúvidas ainda sobre qual a melhor maneira de expressar essa questão na construção de um texto. Mariza Côrrea trata essa questão de um modo sutil quando, por exemplo, faz um jogo de palavras com as palavras masculina/feminino ou feminina/masculino. Se nas oposições binárias mais correntes (masculino/feminino, branco/negro, rico/pobre, etc.) há quase sempre um peso maior no primeiro elemento, a inversão dessa polaridade e da própria flexão de gênero desestabiliza a leitura, nos fazendo pensar na construção cultural desses binarismos. As fronteiras entre essas categorias, aparentemente estanques, borram-se em um discurso que às vezes é andrógino, aparentemente neutro, mas que, ora enaltece as qualidades 'masculinas' dessas mulheres, ora desprestigia as suas qualidades ditas 'femininas':
Colocando-se ao lado de seus colegas profissionais, no entanto, e analisando suas trajetórias no contexto da época de cada uma, começam a emergir definições de feminina e de masculino explicitadas em disputas pelo poder, pelo prestígio ou por privilégios de vários tipos e pela atribuição a elas de um estatuto ambíguo, como se tratasse de seres andróginos a quem é preciso conjurar, desmentir, redefinir tão logo essa atribuição se expresse nos discursos a respeito de seus feitos científicos. Movimento de estranhamento, primeiro (que faz essa mulher num grupo de homens? Deve ser homem...), de re-alocação, em seguida (mas vejam que belo chapéu... feminino), logo de desqualificação (sendo mulher... não poderia ser cientista - ou vice-versa.) (p. 30).1
O livro mapeia a trajetória dessas mulheres exemplares, e a luta de produção de sentido em torno do que elas faziam, principalmente pelos seus interlocutores masculinos, procurando situá-las no contexto da atuação de outras mulheres contemporâneas na Antropologia em outros lugares do mundo. Essa luta semântica e política manifesta-se em termos literários e também nos relatos históricos sobre essas personagens: a naturalista Emilia Snethlage, a sertanista Leolinda Daltro e a pesquisadora de museu Heloisa Alberto Torres. A pergunta central, na análise dessas trajetórias, é: que diferença há em conjugar uma carreira no feminino? Há diferenças, sim, e isso é demonstrado ao longo de todo o livro. Diferenças essas que, via de regra, desvalorizam o trabalho feito por mulheres.
Outras questões emergem nos demais capítulos, como o entrelaçamento entre raça e gênero na política e teoria antropológica, e a atuação de outras mulheres na constituição da história da Antropologia. O livro Antropólogas & Antropologia demonstra um exaustivo trabalho de pesquisa, que se manifesta em detalhes minuciosos (que incluem notas extensas de cunho explicativo e teórico) sobre a vida dessas mulheres e as narrativas a elas associadas, nos fazendo ser capturadas por tais trajetórias e pela forma de narrar da própria autora. O livro (fugindo de qualquer tipo de vitimização ou essencialismo das mulheres) é, sem dúvida, uma importante contribuição para os estudos de gênero no Brasil.


1 Esses qualificativos que colocam em dúvida a competência profissional das mulheres não é uma exclusividade do campo da Antropologia. Ver, por exemplo, os comentários misóginos de artistas de renome sobre mulheres artistas. O artista francês Renoir teria dito: "Considero as escritoras, advogadas e políticas - como Georges Sand, Madame Adam e outras - como monstros, como terneiros de cinco patas [...] A mulher artista é sinceramente ridícula". Ou ainda Degas, sobre a artista impressionista americana Mary Cassat: "Não posso admitir que uma mulher desenhe tão bem!" (Citados por PORQUERES, Bea. "Reconstruir uma tradición: las artistas em el mundo ocidental". Cuadernos Inacabados, Madrid: Horas y Horas, n. 13, 1994.


Por: Carolina Albuquerque

quarta-feira, 4 de julho de 2012

FILME: "Lixo Extraordinário"




É do Brasil: Filmagem de Lixo extraordinário rendeu prêmios no Festival de Berlim e de Sundance.

A produção brasileira indicada ao Oscar na categoria melhor documentário estreou em Brasília na primeira semana de fevereiro (2011). O longa Lixo extraordinário, dirigido por Lucy Walker, João Jardim, Karen Harley, mostra como o artista plástico Vik Muniz transforma o lixo do maior aterro sanitário da América Latina em obra de arte. A atitude beneficiou os catadores de material reciclado e rendeu ao filme prêmios no Festival de Berlim e de Sundance.


Trailer:



Segue o link para assistir o filme “Lixo Extraordinário”:



Retirado:http://antropologiasocial.com.br/


Por: Carolina Albuquerque